01.DA CEGUEIRA À PERCEPÇÃO

Este bloco é dedicado à consciência e à sensibilidade, ferramentas para garantir nossa própria sobrevivência como indivíduos e sociedade.

Convidamos seres humanos com super poderes em seus campos de atuação e visão além do alcance sobre a interdependência dos sistemas naturais, sociais, econômicos e políticos para o desenvolvimento sustentável.

Todos juntos somos fortes. Não há nada a temer.

NOMES CONFIRMADOS

  • JOSÉ LUÍS
    CORDEIRO

    José Luís Cordeiro é um engenheiro venezuelano que “joga nas 11”. Já atuou como consultor de empresas petrolíferas, gravita nos campos das Ciências, Engenharia Mecânica, Economia, Idiomas e é considerado um “futurista”. Acredita que a morte, em breve não atingirá aos homens. Parte das suas ideias acabaram virando livro – “O Desafio Latino-americano”, que se tornou best-seller nos países de língua espanhola.

    O cientista, futurista, economista, engenheiro e colunista venezuelano José Luis Cordeiro, da Singularity University, mais conhecida como a “Universidade do Futuro” no campus da NASA (EUA), é também maratonista. Em 18 minutos ele cruza a linha de chegada após uma verdadeira corrida de slides - com obstáculos tecnológicos! - em que aborda temas desde a produção de energia livre e gratuita (seja a partir de bactérias artificiais ou satélites orbitando a Terra) à colonização de Marte, passando pela “cura” do envelhecimento e cérebros artificiais. Ah! Com direito a pérolas filosóficas da personagem mais famosa do cartoon argentino, a Mafalda. Realismo fantástico? Quem viver, verá! E esse “quem”, diz ele, vai ser todo mundo, no ano de 2045.

  • JOSÉ MARIA
    GOMES

    José Maria Gomes Neto é astrólogo, escritor e conferencista, reconhecido dentro e fora do Brasil. Já rodou capitais, Europa e Estados Unidos aliando o estudo dos astros à técnicas de coaching, que resultou no que chama de Astro*Coaching. José Maria acredita que cada ser humano carrega em si a possibilidade da transformação. “Não, você não pode ser qualquer coisa que queira, mas você pode ser qualquer coisa que seja capaz de se tornar”, é um de seus lemas.

    Para o astrólogo, escritor e conferencista José Maria Gomes Neto, não existe nada mais poderoso que ideias. Mas certamente existe algo tão poderoso quanto: compartilhá-las. À luz dos astros, essas pequenas sementes já nascem dotadas de qualidades paridas pelo céu, no exato momento da concepção. Quer ver um exemplo? No último Dia Mundial do Meio Ambiente, houve uma conjuntura - um desenho no céu-, que só acontece a cada 243 anos, em pares de 8 anos, idêntica à de períodos da história com grandes avanços da humanidade. Ou seja, uma espécie de tabelinha astral para a fecundação de uma nova consciência da espécie humana, a única com a capacidade de pensar e se responsabilizar pelas mudanças no planeta. Boa colheita!

  • HANS
    DONNER

    Um homem que aproveitou bem a oportunidade de colocar em prática suas ideias. Esse é Hans Donner, designer nascido na Áustria, que escolheu o Brasil como sua casa. Na hora de se definir, Hans se afirma austríaco-brasileiro, mas, sobretudo, carioca. Do seu brilhantismo nasceu a identidade visual de uma das empresas mais importantes do mundo, a Rede Globo de Televisão, a qual desenvolveu e foi responsável por mais de 30 anos. Além disso, ainda criou aberturas e vinhetas de inúmeros programas de sucesso da emissora carioca. É criador do primeiro Design do Tempo, um conceito altamente inovador de visualização da passagem do tempo, considerado por publicações da Asia e da Europa, como “a definitiva quebra de paradigma.

    PALESTRA NÃO DISPONÍVEL.

    O designer Hans Donner, mais conhecido como o mago das vinhetas da Rede Globo - em especial da Globeleza - é austríaco, mas samba como ninguém. Com a maior ginga, sem “atravessar”, construiu o samba-enredo “Design do Tempo” para colocar na avenida do TEDx Rio +20 seu conceito de Eco Time, uma forma de marcar a passagem do tempo sem mostradores tipo “bomba-relógio” ou “ponteiros que esquartejam nossas vidas”. Com o bom humor e a raça típicas de um brasileiro, conta como deu um jeitinho nos suíços e realizou um sonho de 26 anos com um bilhete escrito pelo filho pequeno. Mesmo extrapolando o tempo regulamentar, levantou a arquibancada. Dez, nota 10!

  • VIK
    MUNIZ

    Um dos grandes artistas brasileiros da atualidade. Esse é Vik Muniz, que já expandiu seu talento por todo o mundo, sempre com materiais baratos e inusitados. Foi presenteado com uma ala inteira dedicada às suas criações no Museu de Arte Moderna de Nova York e protagonista do documentário indicado ao Oscar “Lixo Extraordinário”.

    PALESTRA NÃO DISPONÍVEL.

    Vik Muniz é um homem sensível. Num dia em que termômetros da orla, acostumados a altas temperaturas, marcavam 20 graus, ele estava congelando. Para quebrar o gelo, fez uma crítica à (in)sustentabilidade do ar-condicionado e foi aplaudido antes mesmo de começar a palestra. Artista plástico brasileiro consagrado, Vicente José de Oliveira Muniz, fez uma apresentação tão sensível quanto sua obra, traçando a evolução das representações visuais com as diferentes maneiras de ver a natureza e o meio ambiente ao longo da história. Para aquecer, fez um convite aos cariocas: colaborar com um desenho coletivo da Baía de Guanabara, em escala ambiental, no Aterro do Flamengo. Dessa vez, ao ar livre.

  • JOÃO
    LAMMOGLIA

    Jovem, inventivo e premiado. Assim pode-se definir João Lammoglia, designer que investe em suas boas ideias. Vencedor do Best Of The Best 2011 Design, da organização Red Dot e o finalista no 24º Prêmio Museu da Casa Brasileira, o brasileiro tem diversos projetos sustentáveis que podem trazer revoluções para nossas vidas.

    Aos 28 anos, João Paulo Lammoglia é um legítimo representante da geração Y. Formado em Design, com foco em sustentabilidade, já tem no currículo duas belas conquistas: a indicação como finalista do 24o Prêmio Museu da Casa Brasileira e a premiação da Red Dot Design, a Best of the Best 2011, pelo Aire, máscara com miniturbinas eólicas que transforma a respiração em fonte de energia para carregar gadgets. Mas parece que não vai parar por aí, porque acredita que o poder humano é ser parte da solução. “O ser humano se vê como um problema em relação às questões ambientais, mas não é”, defende. Darth Vader já dizia: “The ability to destroy a planet is insignificant next to the power of the force” (a habilidade de destruir um planeta é insignificante diante do poder da força).